Em colaboração para o site Minha Vida, as nutricionistas Clarissa Fujiwara e Isabelly Bezerra quebraram alguns mitos sobre alimentação e saúde à mesa.
Com dez dicas sobre o assunto, as especialistas alertaram sobre a importância de manter uma alimentação saudável diariamente. Confira:

1. Dieta sem glúten pode melhorar a saúde
O glúten é a combinação de dois grupos de proteínas: a gliadina e a glutenina, encontradas dentro de grãos de trigo, cevada e centeio. Muitos alimentos consumidos diariamente pelos brasileiros contém a substância, como pães, massas, biscoitos, cereais entre outros.
Por estar presente em muitos alimentos calóricos, eliminar o glúten da dieta virou sinônimo de emagrecimento. No entanto, Clarissa explica que o mais indicado para quem quer emagrecer é tentar melhorar a qualidade e a quantidade dos alimentos que está ingerindo e não a completa eliminação do glúten na dieta.
É importante lembrar que uma dieta sem glúten é recomendada somente para pacientes que possuem doença celíaca ou sensibilidade à substância.

2. Evitar leite integral por causa da gordura
O leite é uma das principais fontes de cálcio disponível, sendo essencial para a saúde dos ossos e dentes. Algumas pessoas evitam o consumo do leite integral devido à grande quantidade de gordura, porém essas gorduras promovem uma maior saciedade por um período prolongado.

3. Sal marinho é mais saudável que o sal refinado
A grande diferença está na forma de produção. O sal usado geralmente na cozinha sofre um intenso processo de refinamento, fazendo com que perca seus minerais, com exceção do sódio e do cloreto. Além disso, sofre um acréscimo de produtos químicos para limpeza. Já o sal marinho é menos processado, por não passar pelo refinamento acaba preservando e fornecendo uma quantidade maior de alguns minerais.
"Há também uma diferença no sabor, onde o marinho "salga" menos em relação ao refinado", esclarece Isabelly. Contudo, ambos apresentam valores de sódio parecidos e devem ser consumidos na quantidade indicada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ou seja, 5g de sal por dia.

4. Comer cenoura melhora a visão
A cenoura é um alimento rico em vitamina A, que pode contribuir para a saúde ocular. A deficiência desta vitamina pode causar dificuldades ao enxergar em locais com a luz mais fraca e causar alterações oculares.

Entretanto, para uma boa saúde ocular é preciso manter uma alimentação saudável e diversificada. "Até o momento não existe nenhuma base científica de que só a cenoura é capaz de preservar a saúde dos olhos", comentou Clarissa.

5. Alimentos diet são mais saudáveis
Alimentos diet possuem restrição em determinados nutrientes (açúcar, sódio, gordura, glúten, lactose), e por esse motivo são indicados para dietas específicas, como de pacientes com diabetes.

O produto diet nem sempre é a menor escolha em termos nutricionais. Em alguns casos, como o do chocolate por exemplo, altera-se a composição do produto a fim de ocultar a retirada do açúcar, e, dentre as alterações, muitas vezes é adicionada uma maior quantidade de gordura, o que confere mais calorias e gorduras saturadas ao alimento, tornando sua qualidade inferior à do tradicional.
O consumo de alimento diet deve ser moderado, sendo necessário existir um equilíbrio com outros alimentos", complementa a nutricionista Clarissa.

6. Alimentos livres de gordura são melhores para pessoas que querem emagrecer
Muitas pessoas confundem gordura com fritura, mas existem várias fontes de gorduras e muitas delas são essenciais ao funcionamento do organismo e para absorção de vitaminas, por isso nem todo tipo de gordura é vilã.

É importante ressaltar que o emagrecimento não é apenas ligado à restrição de gorduras, visto que algumas delas, em sua forma monoinsaturada (o ômega 3 é um exemplo), podem contribuir muito para a nossa saúde, não devendo ser excluídas por quem quer emagrecer com saúde.

7. Se exagerar na alimentação em um dia pode recuperar se esforçando em outro
Seguir uma dieta à risca não é tarefa fácil, especialmente em dias de festas onde é quase impossível resistir a um docinho. Porém, "enfiar o pé na jaca" ou ter um "dia de lixo" e decidir compensar tudo no dia seguinte não são hábitos saudáveis para rotina alimentar. O ideal é tentar respeitar os sinais de fome, terminando as refeições antes de chegar à plenitude e evitando assim um desconforto futuro.

8. Dieta detox é realmente eficaz em longo prazo
A dieta detox ganhou fama rapidamente por ser uma estratégia rápida de limpeza das toxinas do corpo. Atualmente, existem diversos tipos de dietas detox, sendo que a maioria propõe uma redução da quantidade de calorias consumidas e objetivam eliminar as substâncias prejudiciais ao funcionamento do organismo.

No entanto, é importante ressaltar que a longo prazo, a restrição calórica e de nutrientes pode causar perda da massa magra, deficiências nutricionais e enfraquecimento de tecidos como cabelos e unhas.

9. Nem toda salada é saudável
As saladas fornecem vitaminas, minerais e fibras, que auxiliam no bom funcionamento do organismo, e por isso devem ser incluídas no cardápio diário. Porém, algumas armadilhas como molhos e acompanhamentos gordurosos podem tornar esse alimento extremamente calórico.

10. Parar de comer carboidratos
Para as nutricionistas, essa afirmação é um grande mito. Apesar do carboidrato ser disseminado como o vilão da alimentação, ele tem grande importância para o funcionamento do organismo.
Os carboidratos possuem funções importantes no organismo, como a energética, por exemplo, e devem ser consumidos na quantidade adequada, assim como os demais nutrientes. Para que haja o emagrecimento é necessário gastar mais energia do que se consome, e não abolir o consumo de um nutriente.
Confira esta e outras dicas sobre saúde e alimentação no site Minha Vida.